Amigo Imaginário

by - terça-feira, março 17, 2015

Quando tento me lembrar como tudo aconteceu, confesso que fico um pouco confusa, a data exatamente eu não sei, mas fazem algumas primaveras e dez voltas no vira-tempo que tudo começou. Era meio sozinha, não tinha muito com quem conversar, vagava por ai como uma alma presa em um universo paralelo, um universo meu, era completamente absorta em meus pensamentos, não dava muita atenção para o que acontecia a minha volta. Me tornei motivo de chacota e de receio, os outros não gostavam muito do meu jeito e não aceitavam o fato de eu ainda não ter encontrado, mas o que poderia fazer não era assim tão fácil, não para mim, mamãe dizia que eu escolhia demais, que eu sonhava demais e que já estava ficando tarde que u precisava encontrar, mas ela não me compreendia, nenhum deles me compreendia.

Sai naquela manhã determinada a encontrar, já não aguentava mais viver daquela forma, com todos me olhando, me apontando, me criticando, precisava resolver e estava decidido não voltaria para casa ate encontrar, nem que eu passasse a eternidade procurando. Já era quase meio dia e nada, havia passado a manhã inteira procurando, tinha andado tanto que nem sabia onde havia ido parar, mas pelo barulho seguinte, logo descobri, estava cheio deles, corriam, gritavam e brincavam sem parar, os outros já estavam ali, agora entendia como conseguiam tão rápido, alguns já me olharam de cara feia então decidi ir embora e voltar a minha busca, segui caminho pela calçada observando eles brincarem, já estava quase no fim quando á avistei, sentada no banco olhando para baixo absorta em seus pensamento, me lembrou alguém, eu, não sei explicar o por que, mas me senti conectada a ela de certa forma e não restava duvidas, era ela, precisava me aproximar, mas não com os outros por perto, eles poderiam atrapalhar, então esperaria ate que ela saísse.

Estava muito feliz confesso, eu tinha encontrado, mas não seria fácil me aproximar, ela era diferente, sorridente por fora e tumultuada por dentro, isso perceptível. A hora da saída havia chegado, ela caminhava pela rua pensativa, parecia um pouco cansada eu apenas fui acompanhando-a na sombra sem que ela percebesse o que não demorou muito muito, tai uma coisa que aprendi com o o tempo nada é imperceptível pra ela, ficamos alguns minutos paradas olhando uma para outra, ela me analisou, pensou e então sorriu e eu percebi que estava feito, caminhamos quietas por um tempo depois simplesmente rimos e rimos da vida.

Desde então caminhamos juntas, compartilhamos segredos, sei mais da vida dela do que ela mesma talvez, as brincadeiras eram a melhor parte, adorava esconde-esconde, ela não gostava muito porque eu sempre ganhava, meio cômico, pulávamos corada, brincávamos de pega-pega e conversamos por hora olhando as nuvens, no fim do dia na hora de voltar pra casa era uma tristeza, mas logo passava quando lembrava que a veria novamente no outro dia, quando mamãe deixou que eu dormisse casa dela foi o melhor dia da minha vida, mas é como eles costumam dizer, tudo que é bom dura pouco.

As primaveras foram passando e o dia da nossa separação se aproximando, ao invés de brincarmos e rirmos como deveria ser, o que fazíamos era sentar e observar as nuvens em silencio, logo ela estaria longe dali e eu sozinha novamente, mas as coisas agora estavam diferentes, eu já não era mais motivo de chacota e os outros conversavam comigo, o necessário, pois ainda me achavam esquisita por viver em pensamentos, mas eu era e nada iria me mudar, talvez fosse por isso que eu e ela nos dávamos tão bem, ambas vivianos em nossos mundinhos particulares sonhando. Não queria que ela fosse, não queria ter que me separar. Então depois de muito pensar e conversar, chegamos a uma decisão eu iria com ela. Minha mãe não acreditou quando eu contei e os outros que já me achavam estranha, mal olhavam para mim, era o certo, eu não pertencia á aquele lugar, nem ele a mim, eu pertencia a ela.

E cá primaveras e voltas do vira-tempo depois, juntas, desde sempre, crescemos juntas, aprendemos e compartilhamos cada momento e nova descoberta, somos praticamente uma só pessoa, talvez sejamos, vai que sou seu subconsciente e nem percebi. Mas nossa história é essa, simples e duradoura afinal ela precisa de alguém para lhe dizer quando levar o casaco.

Depois de muito conversarmos eu e a Lu chegamos a conclusão de que eu deveria contar nossa história e aqui estou.

Beijos Maria - amiga imaginaria

"Texto feito sobre o tema proposto pelo projeto Blogagem Coletiva do grupo Blog Up. Em termos de imaginação essa galera sabe o que faz."

14 comentários

  1. Nossa, você escreve bem! Vou te falar, sabe o que sua história me lembrou? De uma animação que uma outra blogueira tinha indicado e eu vi. Aqui: HOTARUBI NO MORI E :D
    Beijos!
    www.no-coracao.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Victória!
      Ainda não tive a oportunidade de ver esse ai, mas quem sabe dou uma espiadinha :)
      Obrigada pela visita!

      Excluir
  2. Lindo, e mais pra quen so se expresa en castelan coma eu... Lindo e musical... Saude

    ResponderExcluir
  3. Bem legal e sensível seu texto. Parabéns =D

    ResponderExcluir
  4. Adorei seu blog, posts muito interessantes.
    Parabéns, continue assim arrasando

    Dê uma passadinha la no meu blog você vai gostar, tem dicas de moda e beleza.
    http://byluanamidorie.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Luana :3
      Fico muito feliz em saber disso, seja sempre bem vinda por aqui.

      Excluir
  5. Nossa um ótimo texto! Rolou até um arrepio. Parabens! :D Curti demais, não tive uma experiencia imaginaria, e isso é uma pena. Mas acho que ajuda demais uma pessoa passar por isso!

    Para diversão e entretenimeto: http://blogviiish.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Knuckles!
      Acredito que é tarde para se ter essa experiencia, ela simplesmente acontece quando você mais precisa, amigo imaginário não é só coisa de criança é algo que vem de dentro como uma parte de você que você não mostra a ninguém, uma coisa só sua.
      Seja sempre bem vindo!

      Excluir
  6. Sabia que me bateu uma saudade da minha amiga imaginária agora? A Kitty foi super importante pra mim, não que eu não tivesse amigos reais, mas era muito tímida e tinha coisas que eu precisava contar pra alguém e sabia que apenas ela me entenderia. Ainda a vejo vez ou outra, mas não com tanta frequência :'(
    Adorei seu texto. Muito muito lindo *-*
    beijos

    Vidas em Preto e Branco 

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Lary *-*
      O bom disso é que você ainda pode vê-la, de certa forma ela sempre estará contigo. A graça é imaginar, que se você acredita em algo ele pode sim durar para sempre :)

      Excluir
  7. Amei,você escreve muito bem e senti como se a história fosse comigo sabe ?! Me inspirou na postagem que estou fazendo,também para essa blogagem coletiva,ficou demais :D
    Beijos ^.^
    www.littlewonderscrm.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Jennyfer e fico feliz em saber que pude lhe ajudar, sei que seu texto ficara excelente se deixar vir do coração :)
      Seja sempre bem vinda!

      Excluir

@tiposdalu