Cinco Coisas Que Sinto Falta

by - quinta-feira, abril 02, 2015


O tempo passa e tudo muda, crescemos, caímos, levantamos, erramos aprendemos tudo em prol de um desenvolvimento único e complicado, desapegar não é fácil e também não é a melhor parte da vida, deixar para trás algo que lhe faz bem e que você adora é cruel muitas das vezes e não podemos nem dar uma ultima olhada, se soubesse que crescer era necessário sofrer teria demorado mais, brincado mais, teria dado mais risadas, teria pulado mais corda, mais amarelinha, mais elástico, teria brincado mais de casinha, teria me balançado por mais tempo naquele balanço velho na ultima arvore do quintal, teria sido criança.

O tempo vai passando e o que nos resta é apenas a saudade, daquilo que um dia fomos, vestígios de um passado alegre, risonho e como vários bolos de barro, guardados na memoria, perdidos por entre os compromissos do dia-a-dia, uma pequena trilha de pegadas de barro pela casa. Caímos então em uma nostalgia grande e constante repleta de "porquês" e de "não acredito nisso", pensamos analisamos e nunca chegamos a nenhuma conclusão, pelo contraria a falta daquilo que um dia nos pertenceu só faz aumentar. 

A falta de pular corda com as amigas até o sol se pôr, como se no outro dia não pudéssemos mais fazer aquilo, a vontade era tão grande que não queríamos parar, parecia que se parássemos, nunca mais poderíamos fazer novamente. A falta poder tomar banho de chuva por opção não porque o momento o fez, poder pular nas poças, rir, jogar água pra cima com uma simplicidade que só aquilo podia nos proporcionar, um momento único, mesmo que nos rendesse broncas depois, era maravilhoso. Nos faz sentir falta de poder dormir até tarde sem nenhum problema, sem ter preocupações, de poder continuar absortos em nossos sonhos, sem ter hora pra levantar para não se atrasar e que a unica coisa que nos importava era acordar a tempo de ver nosso desenho favorito. Sentimos falta das tarde com esqueceram de mim onde riamos tanto com as travessuras do menino que chega doía a barriga, e ainda rolava aquele lanche maravilhoso da mamãe, ficávamos mais feliz ainda. E claro sentimos falta das amizades, tão pura e verdadeiras que era até difícil de acreditar, topávamos qualquer briga umas pelas outras, fazíamos festas do pijama, brincávamos de casinha e estudávamos, a melhor parte era a pureza, a sinceridade, o juramento de ser amigas para sempre, mesmo hoje sabendo que não era verdade.

O tempo deixa marcas, trilhas e cicatrizes permanentes, nos deixa saudade de um tempo que foi nosso e que deveria ter durado para sempre, de pessoas que deveriam ter ficado para sempre, com o passar dos anos percebemos que o sempre não existe, e que ninguém é como diz ser, que magoas se fazem necessárias e que só há duas formas de se aprender algo, no amor ou na dor, agora por qual delas aprender isso só cabe a você escolher.


"Tema proposto pela blogagem coletiva do grupo Irmandade das Blogueiras. Resolvi fazer diferente, ao invés de listar os itens fiz um textos só, espero que gostem."

10 comentários

  1. Adorei a maneira que você trabalhou o tema proposto, acredito que são essas pequenas coisas que nos deixam mais nostálgicas, são exatamente elas que fazem toda a diferença.

    Blog Profano Feminino

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você, as coisas mais simples são as que nos causam maiores nostalgias e que nos trazem mais saudades.

      Excluir
  2. Muito bom o texto.. Me identifiquei. Crescemos e mudamos a ordem de prioridades.. Mas me pergunto, por quê temos a necessidade de listar prioridades, se tudo, nem que seja por alguns minutos, pode se tornar uma prioridade e ser realizado?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sabe que é uma indagação interessante Bia, nós e nossas manias de criar prioridades, as vezes não seja uma lista, quem sabe não passa de lembranças mais fortes, algo que ficou por mais tempo ou que as vezes tenha doido mais na partida.

      Excluir
  3. Nossa que texto maravilhoso! O interessante é que enquanto lia eu de certa forma revivia detalhes de minha infância e como eram boas e divertidas as tardes com as amigas!!! As amizades que por motivos distintos foram desfeitas e outras tantas que perduraram... Assim é a vida, confesso que vez ou outra ainda brinco de corda com meus alunos, sinto-me uma eterna criança hahahaha
    www.minhanegracor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah isso é verdade Aline,o importante é não deixar a nossa criança interior morrer, perdemos tanto na vida, só não podemos deixar nosso espirito se perder tambem.

      Excluir
  4. Sinto tanta falta dessas coisas tbm, se soubessemos como sentiriamos falta. As alegrias eram puras, tudo parecia tão simples...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo Sarah a pureza era a melhor parte e todo e qualquer ato era sincero, não havia problemas tudo era tão verdadeiro e tão simples.

      Excluir
  5. Oi Luciana! Ahh que belo texto, ao ler fiquei me remetendo a tudo que me faz falta, saudades até de coisas que não vivi, mas que de uma forma estranha me fazem falta!

    Bjs

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É estranho sentir falta de algo que não lhe pertence, ou que nunca viveu, mas vivemos tendo esse tipo de sensação, talvez tenhamos vivido de certa foma mas no subconsciente.

      Excluir

@tiposdalu