[+QP]: O Som do Seu Medo

by - sexta-feira, abril 24, 2015


Sozinha a sombra da noite, deixo minha audição me guiar, ao longe ouço espirros e uma tosse forçada, talvez seja mais uma criança querendo não ir para escola amanhã, ali por entre a coberta começo a ouvir o som da noite e da solidão, um medo mais que rapidamente me abate e faz com que eu me encolha como um bebe no útero de sua mãe. Ali sozinha começo a pensar em como seria viver na completa solidão, sem nada e nem ninguém, predestina a vagar pelo mundo em busca de um preenchimento para um vazio que nunca será preenchido e que a cada segundo que passa aumenta mais, um vazio que te consome a cada passo dado. 


Talvez seja necessário viver assim, para o bem de outros, talvez não, o meu medo só aumenta só de pensar na solidão, no chegar em uma casa vazia, sem ninguém a me esperar, sem crianças a correr, nem ao meno um cachorro a latir e ter a consciência de que o único barulho que se poderá ouvir é o tilintar de talheres em um prato barato numa pequena mesa num canto pouco iluminado de uma sala vazia.

A televisão se torna uma aliada numa luta inquietante contra a mesmice e a solidão, mas com o tempo as juras ensaiadas entre Jack e Rose se tornaram sem graças e sonolentas e o seu medo tomará conta. A solidão me dominará e nada mais fará sentido, enquanto para quela família feliz do parque o tempo passará voando, para mim ele apenas se arrastará, a sensação que me passa é de que verei todos partirem como quem assiste a um por-do-sol, talvez faça sentido, talvez não, o que eu sei ali deitada na sombra da noite é que esse é o som do meu medo, os gritos mudos e ecoantes da solidão, me arrepio dos pés a cabeça só de pensar nessa possibilidade.

O sono se aproxima já posso sentir, me deixo envolver por ele, logo o medo é substituído pela esperança de um amanhecer maravilhoso, e os gritos da solidão pelos sons singulares de uma respiração calma e profunda, em pouco tempo pego no sono e esqueço por completo esse medo, medo de um futuro solitário, onde só haverá eu e minha turbulenta mente.


"Texto criado como parte do projeto Blogagem Coletiva do grupo Mais que Palavras. Para conhecer outros textos do projeto visite Bilhete de Garrafa, Metade das Coisa e Visão Periférica que também fazem parte do projeto."

4 comentários

  1. Olha, gostei muito do seu texto.
    Conseguiu captar bem a ideia do medo.
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom Sarah ❀
      Fico feliz que tenha gostado e que tenha conseguido captar a essência do meu medo. Beijo!!

      Excluir
  2. Adorei a perspectiva do seu texto a partir dos sons do medo. Belo texto! bjsss www.janelasingular.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico Feliz Ana que tenha gostado e se identificado com a perspectiva, um super beijo :*

      Excluir

@VENTOSDMAIO