Os 7 Textos Que Mais Gostei de Escrever

by - sexta-feira, setembro 18, 2015


Escrever é fugir para o meu universo particular, onde só existe eu e minha mente barulhenta e se querem saber apesar de ser turbulenta as vezes prefiro ficar nela do que no mundo real, acho que é por isso que me chamam de lua (sim esse é um do meus apelidos) porque eu vivo sempre no mundo da lua, sonhando e viajando, vi esse post no blog da Camila o Te Conto Poesia onde ela listava os sete textos que ela mais gostou de escrever achei super interessante e fiquei pensando por um tempo nisso e decidi fazer também, cada texto que eu posto aqui no blog tem seu que e porque, suas peculiaridades que os tornam tão especiais ao menos para mim claro e acima de tudo demonstram um pouco do que eu era e do que sou, como se cada um trouxesse uma parte de mim é como eu escrevi num texto aqui mesmo:

“...você melhor do que ninguém sabe que por onde passamos deixamos historia, deixamos traços e rastros de que estivemos ali, eu sou o rastro do teu passado, sou um marco da sua historia, uma parte importante que você teve que deixar para continuar a caminhar, pois sabemos nessa vida não podemos carregar tudo, temos sempre que deixar algo pelo caminho e sempre ficam os mais importantes...” - [+QP]:Querida Lu

Bem não foi fácil escolher apenas sete textos, eu li, e li, e li e li de novo até chegar em um conceito e cá estão os escolhidos.

Amigo Imaginário - esse foi um dos primeiros textos que escrevi logo que entrei no blogs up, era um dos temas da blogagem coletiva e lembro que foi um super desafio já que estava começando com o blog, acho que por isso tenho um amor enorme por ele.

“...Quando tento me lembrar como tudo aconteceu, confesso que fico um pouco confusa, a data exatamente eu não sei, mas fazem algumas primaveras e dez voltas no vira-tempo que tudo começou. Era meio sozinha, não tinha muito com quem conversar, vagava por ai como uma alma presa em um universo paralelo, um universo meu, era completamente absorta em meus pensamentos, não dava muita atenção para o que acontecia a minha volta...”

Esconderijo Secreto - esse também é um texto feito em cima de uma blogagem coletiva, o que me chama a atenção nele é a continuação foi um dos poucos textos que congui fazer de um aforma que parecesse ter algo alem, fugi completamente do comum contando a historia de uma menina em um hospital, foi bem na época que estava envolta com meu livro e meio que misturei tudo, mas acho que ficou bem legal.

“...O bipe alto e repetitivo me desperta novamente, agora posso ver que trata-se de um quarto de hospital, o local está vazio, não há pessoas, não há aparelhos, não há fios, há somente eu e uma cama, atrás de uma porta eu escuto novamente o gotejar, levanto-me descalça e sigo em direção a porta levo minha mão a maçaneta e á abro, ao fundo visualizo uma torneira, que goteja incansavelmente, começo a me aproximar para fecha-la e mais alto e forte o barulho fica, a cada passo dado, ele só aumenta, consigo alcança-la e a fecho, nesse momento sinto como se tivesse levado um choque e desperto, de um impulso sento a cama, as pessoas estavam de volta, os fios, os aparelhos, tudo estava de volta, agora eu podia ver, podia ouvir, tudo fazia sentido...”

Maré de Sentimentos - esse texto eu fiz para o quadro do blog da Kelly o Caligrafando-te chamado autoria do leitor, onde ela posta os textos do seus leitores, eu gostei muito de escrever ele pois retrata a liberdade a transição entre uma fase e outra da nossa vida e como as vezes é difícil desapegar, mas bem tudo é possível.

“...A brisa do fim de tarde toca meu rosto e bagunça meu cabelo, o balé que as ondas fazem esvazia minha mente, fico tão encantada que simplesmente esqueço de tudo, elas vão e vem numa prefeita sincronia, que logo trás você a minha mente novamente, lembro-me daquele poema, que fizemos na quarta serie...”

Me Afoguei No Oceano de Teus Olhos - eu gostei muito de fazer esse texto, não sei me deixou mais leve, eu quero ressaltar que alguns dos meus textos foram escritos numa fase bem turbulenta da minha vida e faze-los leve era uma forma de me aliviar de tirar um pouco do peso dos meus ombros e esse foi exatamente assim.

“..Você nuca sabe quando vai acontecer, é tudo tão rápido que não se tem nem tempo de pensar em algo, ou em uma forma de sair daquela situação. Quando eles me encontraram senti meu corpo estremecer, senti meus pulmões perderem o ar lentamente, o chão fugiu á meus pés, era como se estivesse a beira de um abismo, o frio na minha barriga era tão intenso, que por um segundo me pareceu congelar, como água no congelador, aquilo seria doloroso...”

Reguei Flor, Colhi Dor - esse texto, bem eu escrevi ele para postar no tumblr e depois decidi postar ele aqui, ele foi um dos que escrevi em uma fase turbulenta, uma mente barulhenta lembram, mas eu gosto dele mostra um pouco como vivo no mundo da lua.

“...Sou despertada de meus devaneios pela minha realidade, a solidão. Sozinha num mundo egoísta e hipócrita, meio sensacionalista eu sei, mas não passa da minha mera opinião. Acho engraçado o dom que as pessoas tem de piorar tudo quando já se estar pior e apesar de muitos chamarem isso de provação, eu creio que sempre vem na hora errada. Me desculpe, mas é o que acho. Certa vez me disseram que tudo tem seu tempo, eu não discordo, mas não acho justo certos minutos....”

Sou Flor Li(n)da - esse é um dos meus preferidos, faço uma comparação nele, pois para mim seres humanos são como flores desabrocham, exalam perfume e murcham, alguns até se vão com o vento como o dente-de-leão, somos todos flores, então regue seu jardim.

“...Sou flor. Sou aquelas dos mais belos jardins, ou ate mesmo aquelas no meio campo, o que importa, eu sou apenas flor. Uma flor que desabrocha a cada manha e que com o por do sol se fecha no seu escudo contra o mundo, sou bela aos olhos de quem sabe ver e seca aos corações amargos. Minhas cores depende do espirito, há dias que estou vermelha como os sentimentos que transbordam deste pequeno ser, há dias que sou azul como a imensidão do céu, já fui rosa como a pureza ou verde com uma folha de esperança, mas ser branca é raridade, ainda mais com essas tempestades diárias...”

Sou Como a Chuva Menino - esse é recente mas gosto muito dele e foi uma leveza de se fazer, eu o escrevi no meu serviço, na hora do meu intervalo, simplesmente fui escrevendo, confessando que sou chuva, bem ainda não decidi bem isso, ele mostra mais de mim do que qualquer outro, uma pessoa repleta de fases e poréns, mas vivendo.

“...Quanto tempo você fica, preparo o café ou a vida? Não sabe? Bem já era de se esperar que não soubesse, incrível como temos o dom de querer saber do futuro sem nem ao menos viver o presente, bem assim somos nós sempre em busca de respostas que podem evitar mais uma decepção. Sente-se e vamos conversar a principio vou preparar um café e não se assuste com o barulho menino é só a chuva lá fora...”

Esses são os escolhidos, sete textos, sete faces, sete porquês, sete textos repletos de palavras intensas que transbordam sentimentos que não cabem aqui dentro, não que seja muito, mas as vezes acho que o espaço é pequeno.

2 comentários

  1. Lu amo seus textos, e desses que citou meus preferidos são Querida Lu, e logico como sitei ontem meu mais novo queridinho Sou Como A Chuva Menino (♥).
    Beijos e amei conhecer os seus escolhidos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah fico feliz em saber que goste Mila de verdade, o Querida Lu é um xodó mesmo pois fala muito sobre mim e esse Sou Como a Chuva Menino foi tipo pro topo da lista, beijos flor!

      Excluir

@tiposdalu