{Contos de HP}: O Caldeirão Furado

by - terça-feira, junho 21, 2016

Algumas pessoas discutem que o pub mais velho em Londres é o White Hart na Alameda Drury; outras que é o Angel na Rua Bermondsey Wall, ou o Lamb and Flag na Rua Rose. Todas essas pessoas são trouxas, e todas elas estão erradas. O pub mais velho em Londres, como qualquer bruxo irá lhe dizer, é o Caldeirão Furado na Rua Charing Cross.
O Caldeirão Furado estava ali muito antes da Rua Charing Cross ser planejada; seu verdadeiro endereço é o número um, Beco Diagonal, e acredita-se que foi ele foi construído em algum momento no começo do século XVI, juntamente com o resto da rua bruxa. Criado cerca de dois séculos antes da imposição do Estatuto Internacional de Sigilo em Magia, o Caldeirão Furado era inicialmente visível aos olhos dos trouxas. Embora o pub ser, desde o início, um lugar para bruxos e bruxas se reunirem – tanto londrinos quanto estrangeiros que passavam o dia na cidade para comprar os últimos ingredientes ou equipamentos mágicos lançados – trouxas não eram expulsos ou mal recebidos, apesar de que algumas das conversas, sem mencionar os animais de estimação, faziam com que muitos clientes desprevenidos saíssem do pub sem terminar suas refeições.

Quando o Estatuto de Sigilo foi imposto, o Caldeirão Furado, que havia se tornado uma grande instituição bruxa britânica, recebeu uma permissão especial para que pudesse continuar a funcionar como um porto seguro e refúgio para a comunidade bruxa na capital. Apesar de insistir em vários poderosos feitiços de ocultamento, e bom comportamento de todos os clientes, o Ministro da Magia, Ulick Gamp, foi compreensivo em relação à necessidade dos bruxos de relaxarem devido aos novos desafios. Ele também concordou em dar ao proprietário do pub da época a responsabilidade de deixar as pessoas entrarem no Beco Diagonal através do seu quintal, uma vez que as lojas que se localizam além do pub também necessitavam de proteção mágica.

Em honra ao apoio de Gamp ao pub, o proprietário criou uma nova marca de cerveja, A Velha Gregária de Gamp, cujo sabor era tão desagradável que ninguém jamais conseguiu beber uma pinta inteira (há um prêmio de cem galeões para qualquer um que esteja disposto a fazê-lo, mas ninguém obteve sucesso na tarefa ainda).

O Caldeirão Furado enfrentou um de seus desafios mais difíceis no final do século XIX, com a criação da Rua Charing Cross, que requeria a demolição do pub por inteiro. O Ministro da Magia da época, o tedioso falante Faris Spavin, deu um melancólico discurso na Suprema Corte dos Bruxos explicando por que o Caldeirão Furado não poderia ser salvo desta vez. Sete horas mais tarde, quando Spavin se sentou depois de ter terminado seu discurso, foi-lhe apresentado um memorando por seu secretário, explicando que a comunidade bruxa tinha se mobilizado e realizado uma quantidade massiva de feitiços de memória (alguns dizem, até os dias atuais, que a Maldição Imperius foi usada em vários trouxas urbanistas, embora isso nunca tenha sido provado) e o Caldeirão Furado foi acomodado nos planos revistos para a nova rua.

O Caldeirão Furado pouco mudou ao longo dos anos; ele é pequeno, sombrio e acolhedor, com alguns quartos acima do bar público para viajantes que vivem muito longe de Londres. É o lugar ideal para se por em dia com as fofocas do mundo bruxo caso você viva muito longe da vizinhança bruxa mais próxima.

Pensamentos de JK Rowling - A Rua Charing Cross é famosa por suas livrarias, tanto modernas quanto antigas. Por isso eu queria que esse fosse o local onde aqueles que conheciam o segredo pudessem entrar em um mundo distinto.


Traduzido por Pedro Martins e revisado por Carolina Portela - Blog Leitura Virtual.

0 comentários

@VENTOSDMAIO