I'm Absent From Myself

04/08/2018
Estou ausente de mim.

Parece clichê eu sei, mas a verdade é que não me lembro exatamente como cheguei a essa situação, ou melhor, como me deixei chegar a essa situação onde o fundo do poço é mais confortável que minha cama mesmo nos dias em que só sei dormir. Sempre fui o tipo de pessoa que se mantem em pé independente da situação, que não gosta de demonstrar fraquezas para ninguém, afinal cada um sabe os demônios que enfrenta e a sociedade não precisa saber disso. 

Minhas barreiras foram derrubadas.

Já faz um tempo que venho notando isso, que já não há mais barreiras, que já não consigo mais me manter em pé, mesmo tentando firmemente todos os dias. A verdade, eu acho, é que simplesmente deixei tudo ruir ao chão na esperança de que algo ou alguém finalmente me ajudasse a juntar os pedaços. Isso não aconteceu. Mesmo deixando as mascaras caírem continuo não demonstrando minhas verdadeiras intenções ou pensamentos, me escondi por tanto tempo que parece uma ofensa deixar que as pessoas saibam como realmente sou ou o que ando sentindo.

Já não caibo mais em mim. 

Por mais que eu tente me recompor me sinto transbordar cada vez mais, do tipo que não há controle. Me pego em lágrimas as  vezes sem motivo aparente mas que me traz um alivio daqueles que um médico sente ao acabar de salvar uma vida. A verdade é que deixei a rotina acabar comigo. E continuo a deixar. Não sei como mudar e as vezes acho que não quero mudar, por medo de recomeçar e perder tudo que de certa forma conquistei até aqui. Não faz sentido eu sei, sempre digo belas palavras a quem precisa e o encorajo a ter coragem e aceitar que as mudanças são para o nosso bem, mas não consigo ser assim. Eu já tentei. Acho que no fundo sou o tipo de pessoa que prefere observar o vôo alheio do que voar propriamente.

Sinto que já não sou mais a mesma, mais uma vez. Só que sinto que dessa vez está tudo pior um pouco, sinto que não vou conseguir me levantar dessa vez, que aderi a poeira daquele velho comodo e me tornei meras lembranças de um passado distante. Já não sou mais eu. Já não caibo mais aqui. Estou ausente de mim. Perdi tantos pedaços ao longo da jornada que cola nenhuma pode consertar. Me perdi o longo dos anos e agora tudo parece difícil de se reencontrar. Estou vazia. Estou perdida. Estou ausente de mim.

6 comentários:

  1. Guria, forte ein. Eu adorei o seu post, bem intenso e, infelizmente, me identifico muito. É horrível se sentir assim. Na maioria dos dias, eu prefiro sentir raiva do que esse vazio terrível.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
  2. Gostei do texto, toca lá no fundo.

    http://gotasdecafe.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Luciana! Te achei no BAEDA da Mel, agora estou visitando todos :)

    Espero que você reencontre você, e talvez, uma pista para isso seja parar de procurar aquela que você já foi.

    Um beijo! Também estou no BAEDA:

    http://melhorqueperfeito.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah que bom moça, seja bem vinda sempre, acho que de certa forma todos nos reencontramos um dia. Um beijo.

      Excluir