Setembro Amarelo #together

12/09/2018


Antes do começo do mês recebi um e-mail da Eva do Amável Girassol me convidando para fazer parte de um projeto o "Setembro Amarelo: #together", como o mês tem quatro semanas a Eva sugeriu quatro temas para quatro blogueiras, onde a cada semana uma faria um post sobre esse tema que precisa ser falado mais do que nunca, mas antes de começar vamos falar do que se trata o setembro amarelo.

Setembro Amarelo é uma iniciativa da CVV (Centro de Valorização a Vida) junto ao Conselho Federal de Medicina e Associação Brasileira de Psiquiatria. Durante todo o mês de setembro se fala muito sobre o suicídio e sua prevenção para que você que está do outro lado saiba que não está sozinho.
E não está.

Fiz um post lá no instagram essa semana falando um pouco sobre isso e sobre esse movimento que você pode conferir lá no @maioliterário sobre como você pode ser o motivo de alguém se sentir melhor, ser o porquê de alguém querer buscar ajuda, pois afinal as vezes as pessoas só precisam de um ouvinte.
Dentre todos os temas eu fiquei com "Síndrome do Pânico" que segundo uma médica eu tenho desde os quinze anos. Segundo literaturas Síndrome do Pânico é "um tipo de transtorno de ansiedade no qual ocorrem crises inesperadas de desespero e medo intenso de que algo ruim aconteça, mesmo que não haja motivo algum para isso ou sinais de perigo iminente. Quem sofre do Transtorno de Pânico sofre crises de medo agudo de modo recorrente e inesperado. Além disso, as crises são seguidas de preocupação persistente com a possibilidade de ter novos ataques e com as consequências desses ataques, seja dificultando a rotina do dia a dia, seja por medo de perder o controle, enlouquecer ou ter um ataque no coração" mas o que é falar perto do que se sente?

Eu sempre fui uma pessoa solitária, de poucos amigos e de pouca conversa, sempre tive mania de perseguição, costumava conferir portas e janelas para ter certeza de que estavam bem trancadas, não confiava muito nas pessoas e evitava sentar de costas para qualquer um. Ao longo dos anos isso foi se tornando cada vez mais forte mesmo em meio a tantas pessoas eu sentia um medo infeliz que tomava conta de mim, até ser diagnosticada. Na época eu morava numa cidade no interior, mas bem no interior mesmo e ao invés de me passar remédios a médica simplesmente me passou algumas dicas para que eu começasse a evitar esses ataques, algo como um "mantra" a ser seguido. E desde então venho tentando seguir assim, já passei por épocas bem sombrias na minha vida, até mesmo recentemente, mas com tempo descobri que eu tinha a quem recorrer sempre que precisava, é ai que Harry Potter entra na história, o conheci muito mais cedo mas só nessas fases sombrias é que percebi que importância dele na minha vida. Mas vocês devem estar se perguntando, o que isso tem a ver com o assunto?

Pois bem, eu me considero uma pessoa forte apesar de tudo, nunca pensei em por fim a minha vida mesmo que as vezes ela pareça a pior do mundo e encontrei nos livro o ouvinte que precisava em dias difíceis, depois veio a escrita e ali pude depositar tudo que sufocava por dentro. Mas nem todos são assim. E nós simplesmente não percebemos as coisas, entenda, isso não é sua culpa ficamos tão perdidos nos nossos dilemas diários quem nem sempre percebemos coisas que estão embaixo de nossos narizes e normalmente não deixamos transparecer a escuridão que nos consome por dentro, por isso não vamos falar de porquês ou de culpados, vamos falar de atitudes.

Pare para ouvir de vez em quando, tire um tempo do seu dia para dar atenção a alguém, as pessoas que estão a sua volta. Cuide de suas palavras. Lembre-se que nossos dias não são todos maravilhosos e que uma palavra errada na hora errada pode trazer consequências inconsequentes. Não julgue. Não diminua as pessoas. Diga uma palavra amiga, um elogio sincero, as motive. Seja um motivador. Mostre a quem está do seu lado que ele pode contar com você assim como você sabe que pode contar com ele. Ansiedade, depressão, síndrome do pânico, transtorno bipolar e tantos outros são doenças e precisam começar a ser tratados como tal, olhe para o colega ao lado, para o pai, para mãe, para o filho, para o aluno olhe para você e tenha certeza de que tudo está bem, olhe os sinais e tire uns minutos do seu dia para motivar as pessoas. Precisamos começar a praticar a empatia da qual tanto falamos, de ser humano para ser humano.

Lembre-se que tem muitos voluntários no CVV disponíveis para te ajudar é só ligar 188, mas caso não queira procure um amigo, alguém de confiança, você não precisa passar por isso sozinho.

Aproveite o mês para valorizar a vida do próximo, mas não se esqueça de valorizar a sua também.

6 comentários:

  1. Eu sabia que acertaria MUITO te convidando, sabe? Que texto incrível, Luciana! Vou favoritar, porque foi demais! De verdade!

    Eu nunca tive uma visão exata do que era ter síndrome do pânico, até porque quando não se sente não se entende bem, né? Aí minha mãe foi diagnosticada com isso e comecei a ver de perto o que é. Ela tem pavor de muitas pessoas em espaços fechados, mas pavor de tremer, suar frio e até quase desmaiar. Coisas loucas passam pela cabeça dela nessas situações e aí eu entendi um pouquinho sobre como deve ser.

    Eu imagino o que você passou com isso sendo criança (15 anos perto de um distúrbio assim é ser criança sim), mas que bom que encontrou válvulas de escape. E que bom que a escrita e Harry Potter sempre estarão lá para você! E eu também, se precisar, moça! E mais um monte de gente incrível, pois estamos juntos nessa!

    Obrigada por topar participar e por ter feito algo tão lindo!

    com amor, Eva.

    ResponderExcluir
  2. Acredito que só quem vive problemas mentais e pensamentos suicidas na pele sabe a importância de se tratar desse tema. O legal do Setembro Amarelo é que não se foca apenas no suicídio, mas o que na maioria das vezes leva a ele (no caso, a depressão). Eu já fui uma pessoa que desejou que o sofrimento acabasse de vez, mas hoje percebo o quão é verdade que a vida pode sim melhorar.
    O post está lindo, moça! Muito sincero... tem que ter coragem para falar sobre esses certos assuntos <3

    ResponderExcluir
  3. Vi seu post lá no insta, querida! Belíssimo engajamento lá e por aqui também! Atitude digna de aplausos! Excelentes conselhos! Ouvir é essencial! A gente não tem esse hábito e alguns arriscam-se num egoísmo muitas vezes imperceptível de querer apenas ser ouvido, quando o outro, bem ao nosso lado, requer apoio.
    Parabéns! Me imagine aplaudindo de pé a você e a todos os comprometidos nessa proposta! Beijos!
    (http://www.cafecomleitura.com/)

    ResponderExcluir
  4. Amei sua postagem, já tinha conferido ela no seu bookstagram e me apaixonado por ela. É legal que a base dela seja o Setembro Amarelo, as pessoas precisam se concientizar e observar mais o mundo a sua volta, aprender a estender a mão para aqueles precisam de ajuda mesmo quando a dor esteja oculta num sorriso, e não so olhar para o próprio umbigo. A pior parte de estar nessa situação é não poderse expressar e dizer o que realmente sente, sufocar as dores e a tristeza. Era como estar na beira de um precipício, so um passo e pronto, não existe saída definitiva, e esse sentimento de estar prestes a cair é uma marca que sempre vai te seguir, e num momento de fraqueza ameaça te engulir. Achei muito legal sua postagem, parabens de verdade

    ResponderExcluir
  5. Ameei o post, parabéns pelo texto, super sensível!
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  6. Oi Luciana
    Ótimo seu post!
    Gostei muito da idéia e também programei uma postagem para reforçar o setembro amarelo
    Os livros curam! Utilizo muito indicações literários no meu trabalho.
    Adorei sua reflexão.
    Beijos
    Claudia

    ResponderExcluir