O Silêncio das Águas, Brittainy C. Cherry

13/01/2019
Sinopse - "Quando a pequena Maggie May presencia uma cena terrível à margem de um rio, sua vida muda por completo. A menina alegre que vive saltitando de um lado para o outro e tem uma paixonite por Brooks Griffin, o melhor amigo de seu irmão, sofre um trauma tão grande que acaba perdendo a voz. Sem saber como lidar com o problema, sua família se vê em uma posição difícil e tenta procurar ajuda, mas nenhum tratamento vai adiante. Ao longo dos anos, Maggie aprende sozinha a conviver com os ataques de pânico e, sem conseguir sair de casa, encontra refúgio nos livros. A única pessoa capaz de compreendê-la é Brooks, que permanece sempre ao seu lado. A cumplicidade na infância se transforma em amizade na adolescência, até que um dia eles não conseguem mais negar o amor que sentem um pelo outro. Mas será que o forte sentimento que os une poderá resistir aos fantasmas do passado e a um acontecimento inesperado, que os forçará a navegar por caminhos diferentes?"



Titulo - O Silêncio das Águas
Autor (a) - Brittainy C. Cherry
Editora - Galera Record
Paginas - 364
ISBN - 9788501109644
❤❤❤❤




"As batidas do seu coração fazem o mundo continuar girando"
Devo confessar que a primeira vez que li essa história foi através de uma fanfic no wattpad, sacanagem eu sei, mas foi assim. Finalizei o livro em dois dias e vi a necessidade de ler o original e me entregar as palavras e reviravoltas de Brittainy C. Cherry. A história começa com Maggie May ainda pequena se mudando para uma nova casa com seu pai, ali eles iriam começar uma nova vida e descobrir o verdadeiro significado da palavra família. Lá ela se depara com uma vida completamente diferente que inclui Katie como sua nova mãe, Cherryl e Calvin como irmãos e Brooks a pessoa que seria capaz de tornar os dias mais sombrios nos mais lindos ao decorrer dos anos.
"Uma pessoa nunca lê um excelente livro duas vezes e vai embora com as mesmas crenças. Um excelente livro sempre surpreende você e o desperta para novas ideias, novas maneiras de olhar o mundo, não importa quantas vezes as palavras já foram lidas." - pg. 80
Confesso que a pressa na romantização entre Maggie e Brooks me deixou um pouco incomodada, mas nada que tenha atrapalhado minha curiosidade e admiração pela história. Ainda criança ela presencia algo que nenhuma criança deveria presenciar - em alguns momentos eu me perdi sobre o que realmente havia acontecido mas me localizei rápido - fazendo com que Maggie se tornasse uma pessoa silenciosa ao ponto de não sair de casa e não falar mais desde o fatídico dia. A história contem alguns saltos temporais com capítulos um pouco alterado entre Maggie e Brooks, mas temos mais a visão de Maggie sobre a história. Fiquei encantado como a autora te prende na história e faz você suspirar como amor que crescer a cada dia entre Brooks e Magnet, como ele a apelida carinhosamente.
"Você não pode simplesmente ler esses livros e pensar que isso significa que está vivendo. É a história deles não a sua." - pg. 82
Alguém mais sentiu como se esse trecho fosse feito para você? Em fim. O Silêncio das Águas antes de um simples e clichê nos fala sobre perdas, desencontros, recomeços, fé, amor e perseverança. Ao longo da história você se depara com duas pessoas que simplesmente são a ancora um do outro, são tudo o que mais precisam, são um só mas que apenas não podem ser é como se a vida dissesse "não" a cada tentativa. Nos deparamos com o poder da culpa e o mal que ela pode nos fazer e a quem amamos também, ela acredita que ao perder sua voz ela perdeu tudo mas ela diz muito mais em seu silêncio do que todos que falam a sua volta. Vocês já sentiram como se o mundo não te escutasse meso gritando? Vocês já sentiram o peso de suas palavras quando ditas ao vento?
"Aqueles que acreditam em você quando você não acredita em si mesmo são os únicos a se manter por perto." - pg. 98
Mesmo em meio a tudo o que se passava com ela, sua família soube ser bem cruel Cherryl sua irmã mais nova a culpava por tudo que havia perdido na vida e como uma boa adolescente mimada fazia de tudo para ferir Maggie não só com palavras mas com atitudes egoístas também.
"Isso me surpreendeu...como um coração poderia quebrar em meio a uma sala lotada e o som não poder ser ouvido por uma unica pessoa." - pg. 105
"Eu não sabia que você poderia ouvir a voz de alguém tão claramente nos momentos silenciosos." - pg. 127
Sua mãe, Katie foi bem cruel em alguns momentos também, quer dizer eu sei que no fundo era um pouco de culpa mas ela não medias as palavras e feria Maggie, e mais uma vez nos deparamos com o peso das palavras. Precisamos sempre mesmo falar?
"Nem todas as coisas quebradas precisam ser corrigidas. As vezes, elas só precisam ser amadas. Seria uma vergonha se apenas as pessoas que são inteiras merecessem o amor." - pg. 176
"Não importa que nomes os outros chamem você, reclusa, excêntrica, nenhuma dessas palavras importa. O que importa são os nomes que você chama a si mesma quando está na sua própria companhia." - pg. 242
Durante vinte anos lidamos com os demônios de Maggie ao longo dos dias até o dia em que tudo muda, Brooks sempre foi a ancora de Maggie e sempre esteve ao lado dela mesmo tão distante as vezes quando um acidente acontece com ele Magnet percebe que é a hora dela deixar tudo de lado e ser a ancora dele, esse deveria ser um momento de recomeços mas percebemos que cada pessoa lida de uma forma diferente com seus demônios e me peguei com raiva de Brooks em vários momentos, eu sei que era difícil para ele, que ele havia perdido o que mais amava - afinal 1º a música, 2º Magnet e 3º o mundo - mas achei um pouco demais toda aquela rebeldia dele, tipo dá um tapa nesse menino para ele acordar para a vida. E mais uma vez a vida dizia não para Brooks e Maggie mesmo eles simplesmente nascendo para ficarem juntos. 

A certa altura do livro parece que tudo finalmente se encaixa simples assim, aquele lance do tempo sabe mas eu ainda me perguntava o qual seria o fim para o que Maggie havia presenciado a tantos anos até que Brittainy vem e da uma um show com sua finalização e reviravolta mais uma vez. Eu confesso que o final deixou um pouco a desejar, não que eles não merececem ficar juntos pelo contrário já não era sem tempo é só que passamos tanta etapas do livro vendo as coisas pela perspectiva da Magnet que aquele final precisava ser mostrado por ela, o Brooks nos mostrou bem como tudo estava dez anos depois - alguém notou os trinta anos de história ai? - mas eu senti a necessidade de ser a Maggie ali.
"Os humanos sempre se lembram dos momentos." - pg. 342
Foi o primeiro livro que li da autora e simplesmente me apaixonei e eu já sei que esse é o terceira do série - acrescente um revira de olhos aqui - e eu vou ler os outros. Aprendi um pouco com O Silêncio das Águas e percebi muitas coisas sambem, nossa voz é nossa arma e é capaz de mudar a vida de uma pessoa dependendo da forma como ela for usada, acredito mais ainda que devemos pensar muito bem antes de falar algo mas que também não podemos pensar demais, algumas coisas precisam ser ditas de uma vez, algumas feridas precisam sangrar para poder cicatrizar, alguns momentos são únicos e não podemos simplesmente deixá-los passar por nós por medo de falar. Pode ser nossa unica chance.

Um comentário:

  1. Oi, Lu. Você já deve saber que eu não costumo ler romances, mas esse aí me chamou a atenção, tanto que já deixei o nome salvo no Kindle. Sei lá, gosto de ler histórias com personagens taumatizados haha. Adorei a sua resenha! <3

    ResponderExcluir