Interferências, Connie Willis

05/06/2018
Sinopse - "Combinando humor e romance, Connie Willis, ícone da ficção científica, entrega um livro envolvente sobre os perigos da tecnologia, do excesso nas redes sociais e... do amor. Em um futuro não muito distante, um simples procedimento cirúrgico é capaz de aumentar a empatia entre os casais, e ele está cada vez mais na moda. Por isso, Briddey Flannigan fica contente quando seu namorado, Trent, sugere que eles façam a cirurgia antes de se casarem — a ideia é que eles desfrutem de uma conexão emocional ainda maior, e que o relacionamento fique ainda mais completo. Bem, essa é a ideia. Mas as coisas acabam não acontecendo como o planejado: Briddey acaba se conectando com outra pessoa, totalmente inesperada. Conforme a situação vai saindo do controle, Briddey percebe que nem sempre muita informação é o melhor, e que o amor — e a comunicação — são bem mais complicados do que ela esperava. Mais complicado do que ela esperava."


Titulo - Interferências
Autor (a) - Connie Willis
Editora - Suma
Paginas - 464
ISBN - 9788556510570
❤❤❤❤




Briddey trabalha em uma empresa de celulares, a Commspan que é concorrente da Apple e precisa inovar cada vez mais em tecnologia. Mas há rumores de que a Apple vai lançar um produto que vai acabar com a Commspan e eles precisam correr para oferecer um celular melhor e com um serviço completamente inovador. Se namorado Trent também trabalha na Commspan e é um dos homens mais desejados, como na empresa todo mundo sabe da vida de todo mundo, logo surge um alvoroço quando eles planejarem fazer um EED. Trent está totalmente apaixonado por Briddey e está ansioso para que ela possa sentir isso, eles conseguiram consulta com um dos médicos mais requisitados da área e se surpreenderam ao serem notificados de uma vaga que surgiu de última hora. Então resolvem fazer a cirurgia sem que ninguém saiba e só revelariam depois que estivessem conectados.

A família de Briddey não sabe respeitar a privacidade de cada um e se intromete na vida dela constantemente, além de importuná-la inúmeras vezes durante o dia através de quaisquer meios de comunicação existentes. A família não gosta de Trent, e por isso ela ainda não sabe como contar que vai fazer, ou melhor, que fez o EED com ele, um procedimento cirúrgico que é capaz de aumentar a empatia do casal e permite que percebam os sentimentos um do outro.
A primeira impressão que o leitor tem ao iniciar Interferências é de um livro chick-lit. Ou seja, uma comédia romântica daquelas típicas da Sessão da Tarde, mas como nem tudo é o que parece, logo percebemos que o livro não bem o que aparenta. Connie foi extremamente habilidosa na escrita de Interferências e, apesar de todo o jeito descontraído da escrita, Interferências é muito, mas muito mais do que uma comédia romântica. Uma escrita em terceira pessoa com o foco na Briddey e em sua visão de mundo, o livro tem uma escrita veloz e dinâmica. Os diálogos são explosivos e repletos de referência pop. Mas, todas elas são bem tranquilas de pegar e até algumas do universo geek. Aqueles diálogos pá-pum, com retomadas inteligentes e comentários sagazes. Diálogos que quando você parava para analisar eram geniais e possuíam várias camadas que só entendíamos depois que a informação era processada.

Briddey é a primeira a fazer o procedimento e quando acorda tem uma surpresa, além de não estar conectada emocionalmente ao seu namorado ela ainda é capaz de ouvir os pensamentos de outra pessoa! Ela fica assustada, não sabe o que está acontecendo e começa a criar algumas teorias. Mas C.B. tenta acalmá-la e diz que vai ajudar.

C.B. Schwartz é um esquisitão que trabalha no subsolo da empresa, ele é um gênio e tem sempre ótimas invenções de aplicativos para os celulares, mas ele é contra o uso excessivo de tecnologia e tentou convencer  Briddey a não fazer o EED porque poderia ter consequências indesejadas. C.B. diz a Briddey para não contar a ninguém que eles estão se comunicando telepaticamente porque o Trent pode achar que o EED só deu errado por ela estar emocionalmente envolvida com o C.B. e não com ele, ela também não pode contar ao médico porque ele pode querer fazer exames e dizer que ela é louca. Enquanto isso, ela precisa driblar as investidas de Trent para saber se ela já está sentindo alguma emoção que ele está enviando e, ao mesmo tempo, tentar encontrar um meio de desconectar-se de C.B.
Uma das genialidades presentes neste livro é a troca de gêneros que a autora faz diversas vezes no decorrer da história. O que começa como uma comédia romântica se transforma em um suspense e depois em uma trama de espionagem industrial com leves toques de ficção científica. Na hora em que o leitor se acomoda com o jeitinho doce e gentil dos personagens vivendo mil trapalhadas, a autora nos dá uma rasteira e transforma a leitura em algo tenso. A maneira como vamos nos sentindo cercados o tempo todo por pessoas que querem tomar os poderes telepáticos para eles é sufocante. Fora aquela família agoniante que ela tem, eu teria surtado de imediato, confesso. É como se a Connie tivesse nos jogado em um compactador e fosse fechando as laterais pouco a pouco até nos deixar sem saída. E no final temos uma trama de espionagem industrial interessante onde os personagens acabam precisando se virar para resolver o problema.

Por ser uma obra extensa – são mais de quatrocentas páginas, Interferências acaba se arrastando em alguns pontos, principalmente na segunda parte da história. Diversas situações meio que se tornam repetitivas e não seria prejuízo nenhum se a autora tivesse suprimido muitos dos capítulos em torno da confusão em que se encontram os personagens. Contudo, a diversidade desses personagens e seus estilos cômicos e paranoicos, que nos cativam facilmente, acaba compensando os trechos mais lentos.
Mesmo tendo em mãos uma temática que permitia ir bem além e produzir uma grande obra de ficção científica, é fato que Connie Willis optou por entregar aos seus leitores um livro mais leve e descompromissado. Interferências é uma leitura para divertir e lá no fundo provocar um certo incômodo em nos imaginarmos em situações semelhantes. Vale a pena e vocês não vão se arrepender. Esse foi um livro lido em parceria com outras colunistas do blog Coisa da Juu, que você pode conferir aqui em baixo. AH! Não deixe de me contar se já leu e o que achou do livro, mas se você ainda esta pensando em lê-lo vale a pena colocar na listinha do bem.
Conheça os blogs participantes do projeto Pequenos Vícios | Blog Coisas da Juu | Tudo que Motiva | Estante 450 | Eu, humana e infinita

20 comentários:

  1. Realmente, eu não sei o que faria se estivesse na pele da personagem. Provavelmente eu teria surtando grandemente hahaha E essa família dela? Que rançoooo!
    Tudo que Motiva

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ranço é pouco né meu bem hahaha eu tipo sairia correndo sem rumo isso sim, mas no fim o livro foi uma graça.

      Excluir
  2. Cara, que resenha completa! Tu lembrou de umas coisas haha
    Amei o que falou sobre a troca de gêneros, que a autora é habilidosa não podemos negar!
    Beijooos

    Blog Coisas da Juu

    ResponderExcluir
  3. Fiquei mega curiosa a respeito desse livro, com certeza vou ler. Amei conhecer seu blog
    www.paulaleticia.com

    ResponderExcluir
  4. Que legal essa mistura de comedia romantica, ficção e suspense.
    Ainda não li esse livro ,mas achei bem interessante , acho que eu vou gostar bastante.
    Gostei da resenha.

    um beijo

    www.chuvanojardim.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é bem engraçado apesar de tudo é uma história gostosa, tenho certeza de que vai gostar.

      Excluir
  5. Eu acho a crítica desse livro muito bacana e entendo que apesar da tematica a autora preferiu entregar algo mais leve. O tamanho realmente assusta um pouquinho mas é normal que hora ou outra a obra acabe tornando-se meio maçante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo livro tem dessa não é mesmo hahaha aquela parte maçante e sufocante.

      Excluir
  6. Oiii tudo bem??

    Estou com ele pra realizar a leitura, e uma das blogueiras que mais gosto atualmente odiou e fiquei com pé atras. Foi bom ler sua resenha e ver que o livro pode ser bom sim, adorei a mudança de gênero no meio da historia.
    Bjus Rafa

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não dá para odiar os personagens hahaha apesar de uma parte bem maçante e tudo mais. Uma pena que ela não tenha gostado. Um beijo.

      Excluir
  7. Oi.
    Já li alguns comentários sobre esse livro e já queria ler, sua resenha me deixou ainda mais curiosa.
    Pretendo ler.
    Adorei as fotos.
    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada moça e leia sim pois tenho certeza de que ira gostar.

      Excluir
  8. Ainda não tinha visto nada desse livro. Achei a capa bem interessante e as cores convidativas. O enredo me pareceu criativo e como vc mesma destacou com vários estilos envolvidos, que devem deixar o leitor bem envolvido.
    Fico feliz que vc tenha gostado tanto da leitura. Valeu pela dica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A leitura apesar de tudo é bem agradável e vale muito a pena. Um beijo.

      Excluir
  9. Olá!
    Não sei porque razão, mas me fez lembrar um pouco Eleanor e Park... Creio que por conta das referencias pop...Uma leve pegada de Chick-Lit. Gostei da proposta, anotado a dica!
    Nizete
    Cia do Leitor

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente essa mistura de gêneros é o que torna leitura mais empolgante. Que bom que gostou da dica, um beijo.

      Excluir
  10. Oi Luciana,
    eu comecei a ler Interferências, mas não consegui me conectar, também li O livro do juízo final da autora e me parece que faz parte da escrita dela deixar o começo um pouco arrastado, para só na metade incluir ação, sua resenha me deixou um pouco mais inspirada a voltar para a leitura e terminar, quem sabe não a finalizo?

    Beijokas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não li outros livros dela mas imagino que a pegada seja a mesma. Dê outra chance sim a história tenho certeza de que não irá se arrepender. Um beijo!

      Excluir